quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Debate entre os candidatos a prefeito de Indaiatuba


O início do debate, em foto da colega Samanta de Martino postado no Facebook
O Debate entre os candidatos a prefeito de Indaiatuba, que aconteceu ontem, dia 20, na Faculdade Max Planck, foi um momento histórico na história da cidade. Organizado pela instituição de ensino em parceria com a 113ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o evento foi transmitido com exclusividade pela TV Sol Comunidade, que se por um lado constituiu um desafio técnico e, por que não dizer, de credibilidade para a emissora, por outro deixou de fora a imensa maioria do eleitorado, já que apenas assinantes da NET tem acesso á sua programação. Uma abertura para transmissão on line daria uma importância e alcance muito maior. Mas não dá para excluir o componente comercial da equação, já que não deixa de ser um programa de televisão, que tem que se pagar.

Todos os candidatos compareceram: o favorito Bruno Ganem (PV), o situacionista Nilson Gaspar (PMDB), Rinaldo Wolf (PT), Gervásio Silva (PTB) e Emanoel Messias (PMN).  Isso provavelmente não aconteceria se a iniciativa fosse somente da TV, já que nesse caso, o mediador seria o “repórter” policial Rubinho Queiroz. Obviamente, como me informaram os irmãos Flavia Vaz e Caio Guimarães, que chefiam a redação da TV Sol, isso foi descartado após o escândalo do vazamento do áudio em que o “repórter” foi flagrado maquinando em favos do candidato Nilson Gaspar (PMDB). A organização da Max Planck com o aval da OAB deu um caráter se isenção ao debate, que aconteceu de forma democrática e dentro das regras pré-estabelecidas e aceitas por todos os participantes. O senão foi o atraso de 45 minutos, que carregou toda a programação até altas horas.

Esse tipo de encontro serve para que os postulantes apresentem suas ideias e mostrem a que vieram na campanha. Assim, Ganem demonstrou preparo para expor suas propostas, ideias novas e uma agressividade moderada contra o ponto fraco da atual administração, que são os processos criminais de corrupção que levaram o prefeito licenciado Reinaldo Nogueira para a cadeia e envolvem o próprio candidato Gaspar, que teve o sigilo bancário quebrado pela Justiça. Foi aplaudido quando citou o sumiço dos R$ 53 milhões aplicados pela atual administração em um banco posteriormente liquidado pelo BC, contrariando a legislação, e o que poderia ter sido feito com esses recursos. Sublinhou por diversas vezes seu conceito de Cidade Inteligente, que por meio da tecnologia pretende maximizar os recursos e agilizar o atendimento à população. Com esperteza, usou algumas perguntas, até de adversários, para falar de seu próprio plano de governo, como um veterano em debates. Oito anos de trabalho legislativo valem alguma coisa.

Gaspar por sua vez, embora bem treinado, como Ganem, a usar todo o tempo disponível, demonstrou muito nervosismo a princípio, já que é neófito em campanhas eleitorais e insistiu no discurso da continuidade, de que em time que está ganhando não se mexe, o que até faria sentido não fosse a prisão de seu padrinho e mentor, em um processo de desapropriações fraudulentas, o que significa corrupção administrativa. E o nome da coligação é "Reinaldo Nogueira". Gaspar também não teve resposta à acusação de Gervásio sobre a participação de integrantes da mídia, em tese isenta, em sua campanha, revelada no mesmo escândalo de vazamento de áudio supracitado. Em vez disso, repetiu a história de que Bruno tem por trás de sua candidatura os irmãos José Carlos e Flávio Tonin, ambos ex-prefeitos, para quem não conhece a história da cidade. A comissão julgadora formada por diretores da OAB local indeferiu o pedido de resposta pedido pela assessoria de Ganen, talvez porque seus integrantes também já estivessem cansados, como todos, e concluíram que a afirmação de Gaspar não significa nada e já é desespero de causa de quem estava oito pontos atrás na última pesquisa divulgada.

Gervásio ainda remói a defenestração da Secretaria da Habitação, e sua agressividade tornou o debate muito mais interessante. Insistiu em sua experiência como empresário e gestor da pasta da Habitação na administração passada, quando se licenciou para se candidatar a vereador, a pedido do prefeito Reinaldo Nogueira, e quando obteve a maior votação para a chapa situacionista, não teve o cargo de volta. Isso o levou a uma posição de quase oposicionista na Câmara e ao lançamento de sua candidatura a prefeito. Sua posição em quarto lugar na pesquisa do Jornal Todo Dia, divulgada no último dia 8, deve tê-lo decepcionado. Foi quem mais insistiu na corrupção da atual administração, ainda que seus dois irmãos tenham sido presos no mesmo processo policial que envolveu Reinaldo e seu pai, Leonício.

Rinaldo Wolf (PT), por sua vez, surpreendeu na mesma pesquisa ao despontar em quarto lugar. Sua participação no debate, no entanto, foi uma decepção. Limitou-se a defender os governos Lula e, principalmente, Dilma Roussef, mandou um “Fora Temer!” e apresentou como sua prioridade de governo o velho Orçamento Participativo. No contexto atual do seu partido, é como uma freira pregando no bordel.

É difícil saber a motivação de Emanoel Messias (PMN) em concorrer à Prefeitura. Foi vereador uma vez, não se reelegeu, não tem proposta, acha boa a atual administração e, em resumo, não disse a que veio.

Muitos esperavam ver mais sangue, com um confronto direto entre os dois principais concorrentes, Bruno e Gaspar. Dentro das regras eleitorais, a forma como se deu o debate se Indaiatuba é um modelo do qual não se pode fugir muito. É democrático dar espaço igual a todos, mesmo aos que não tem chance, mas resulta nessa chatice. Entre os principais eleitorados, ninguém vai mudar o voto por causa do que assistiu ontem, o que é bom para quem está na frente. No máximo, o Gervásio vai ultrapassar o Rinaldo na próxima pesquisa, o que também não vai mudar nada. Mas a democracia, de um modo geral, ganhou com o debate. Pontos para a a Max Planck, OAB, TV Sol Comunidade e para os candidatos, que não fugiram da raia..

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

As Olimpíadas e a autoestima do Brasil

Roberta Sá encarna Carmem Miranda no encerramento dos Jogos Olímpicos do Rio
Os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro acabaram ontem e – adivinhem só? – foi um sucesso! A poucos dias do início, ninguém diria que o evento mobilizaria o País, daria um upgrade na sua imagem internacional e que nossos atletas teriam a melhor performance olímpica da história. Ou que o maior vexame das Olimpíadas seria de um gringo, americano ainda por cima.
Paulinho da Viola cantando o Hino Brasileiro: para chorar de tão lindo
A coisa começou bem já na  cerimônia de abertura. Eu mesmo nem ia assistir, estava me preparando para sair de casa, quando passei em frente á televisão e parei, hipnotizado pela beleza da festa criada por Daniela Thomas, Fernando Meirelles e Andrucha Waddington (todos cineastas, by the way) e  pela música. Ah, a música! Paulinho da Viola, nosso sambista mais classudo, cantando o Hino Nacional foi de arrancar lágrimas. Benjor com seu “País tropical”, Daniel Jobim cantando “Garota de Ipanema” para Gisele Bundchen desfilar, Gilberto Gil mandando
Olha que coisa mais linda, mais cheia de graça
“Aquele abraço” para o Rio e com o compadre Caetano recebendo a jovem Anitta como a popstar do momento mostraram ao mundo e lembraram a nós que é o Brasil. Enquanto isso, o 14 Bis pilotado pelo Santos Dumont/Tuca Andrada sobrevoava virtualmente a Cidade Maravilhosa, o cenário que, de cara, já dava alguns corpos de vantagem sobre outras sedes olímpicas.
Nos Jogos, em si, teve de tudo: redenção para Diego Hypólito, Poliana Okimoto, Rafaela Silva e o vôlei masculino; as inéditas medalhas de ouro no futebol e no boxe olímpico; o surgimento do prodígio Thiago Braz no salto com vara; o resgate de tradições com o Tiro de Felipe Wu e das velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze. E as despedidas dos mitos
Anitta, a principal cantora opo da atualidade, entre Caetano e Gil: se você não
gostou, aposto que os pais da Tropicália adoraram
Michael Phelps e Usain Bolt das Olimpíadas.  Este último une uma performance espetacular com marketing pessoal imbatível. Há quem atribua à simpatia, mas eu acho quem que o comparou com Munhamad Ali está certo. Não admiramos Bolt por ser simpático, mas por ser quase sobre-humano na pista. Como os antigos atletas gregos, ele se elevou à condição de semideus com seu triplo tricampeonato olímpico, invicto em finais olímpicas.
O encerramento de ontem coroou esses fabulosos Jogos do Rio. Da direção, saem os cineastas, entra a carnavalesca Rosa Magalhães para que tudo acabe em samba. Uma festa da diversidade brasileira culminando com um carnaval para gringo em escala olímpica. E o Japão apresentando seu cartão de visitas, lembrando a todos que a próxima Olímpíada será do outro extremo do mundo, tanto geográfica quanto em quase tudo o mais.

Izabel Goulart e Leandra Leal no encerramento

De toda a forma, o recado estava dado. O Brasil pode estar na merda, mas não é uma merda, ao contrário do que os projetas do apocalipse andaram trombeteando. Um país com tudo isso e capaz de espantar a todos – inclusive a nós, brasileiros, agora com muito orgulho, com muito amor – pode muito mais. Independente do ladrão/incompetente/populista da vez no governo.

segunda-feira, 11 de julho de 2016

CR7 e a a diferença entre o melhor e o maior

Outro dia li um texto que diferenciava o melhor jogador do maior jogador. Dentro desse critério, Messi seria melhor tecnicamente que Maradona, mas o segundo seria maior por ter levado a Argentina à conquista da Copa do Mundo de 1986 e feito o modesto Napoli campeão italiano pelas duas únicas vezes em sua história.
Neste domingo, Cristiano Ronaldo se consolidou como maior jogador português de todos os tempos. Se há tempo ele já havia superado Luis Figo, ainda restava dúvidas em relação a Eusébio, que levou Portugal ao terceiro lugar na Copa de 66 e o Benfica às duas únicas conquistas da Liga dos Campeões da Europa. Com a conquista da Eurocopa pela seleção portuguesa, que CR7 liderou dentro e fora de campo, não há mais o que discutir. É a primeira vez que os lusos ganham um título de primeira linha em toda sua história, que inclui o doloroso vice em 2004, quando perderam para a Grécia em casa.
Mas o que talvez seja mais importante, nesta temporada, o craque português colocou alguns corpos e vantagem sobre seu eterno rival Lionel Messi, com as conquistas da Champions League e da Eurocopa. O prodígio argentino não apenas fracassou em três torneios de seleções em três anos seguidos, como ainda anunciou que deixaria de jogar pela Argentina. É indiscutível a supremacia técnica do argentino, mas seus fracassos com uma seleção que tem ainda Higuain, Aguero, Di Maria e Mascherano são inexplicáveis. Portugal de CR7 era nitidamente inferior à França, especialmente com a saída do craque ainda no primeiro tempo, mas a entrega do time luso diante de um adversário que parecia acreditar que resolveria a partida a qualquer momento foi emocionante. Extenuados ao disputar a terceira prorrogação no torneio, os portugueses ainda eram animados e orientados por um Cristiano Ronaldo que dividiu a função de técnico com Fernando Santos. Na hora da premiação, os companheiros decidiram que ele, o líder do time, ergueria a taça ao invés de Nani, o capitão que terminou o jogo.

Hoje, podemos cravar que Cristiano Ronaldo é maior do que Messi.

terça-feira, 8 de março de 2016

Filmes para assistir no Dia Internacional da Mulher

Marcos Kimura

Em janeiro, o Cineclube Indaiatuba exibiu “As Sufragistas”, de Sara Gravon, que bateu o recorde de público em 10 anos de atividade dessa sessão especial dos cines Topázio. É interessante também notar que o recorde anterior era do filme “A Separação”, que embora não tratasse diretamente do feminismo, abordava os papéis de homem e mulher na família numa sociedade regrada por uma doutrina religiosa patriarcal. Pensando em como o Cinema contribui para uma reflexão a respeito, fiz uma listinha de filmes que abordam o assunto com talento, relevância e sensibilidade.

Para começar, o próprio “As Sufragistas”, que opta por mostrar o movimento pelo voto feminino na Inglaterra do início do século XX do ponto de vista de uma mulher comum, e não de suas líderes ou da organização como um todo. O resultado é um retrato dos preconceitos, sacrifícios e luta pelos quais as militantes tinha que passar em uma jornada que só seria vitoriosa muitos anos depois.  Atuações pungentes de um elenco encabeçado por Carey Mulligan, Helena Boohan-Carter e participação afetuosa de Meryl Streep ajudam muito a direção sensível, mas convencional de Sarah Gravon.

Outro filme exibido pelo Cineclube Indaiatuba sobre o tema é o libanês “E agora, onde vamos?”, da diretora e atriz Nadine Labaki, que ganhou notoriedade internacional a parti de “Caramelo”, também exibido no Cineclube. Ambientado numa pequena pequena aldeia que tem como ligação com o resto do país uma pequena ponte, o filme já começa com um cortejo fúnebre de mulheres no cemitério local, prestando homenagem a filhos, irmãos, maridos e outros parentes mortos na interminável guerra civil entre cristão e muçulmanos. Unidas na dor, na saída elas se separam, cada grupo indo para seu lado da cidade. Decididas a acabar com o morticínio, elas acabam usando diversos subterfúgios para distrair os homens da ideia de vingança, desde interrompendo o sinal da TV para que não vejam o noticiário até patrocinar um grupo de belas estrangeiras perdidas nos rincões do Líbano. Embora tenha seus momentos engraçados, o longa destaca que, em todos os conflitos, a mulher é sempre quem enterra e chora os mortos.

Também exibido pelo Cineclube Indaiatuba e igualmente de uma mulher árabe, Haifaa Al-Mansour, “O Sonho de Wadjda” é também o primeiro filme oficialmente realizado na Arábia Saudita. Ele acompanha a adolescente do título, que gosta de brincar com os garotos e que sonha em comprar uma bicicleta que viu numa loja do bairro. Só que além de não ter o dinheiro, andar de bicicleta é algo proibido às mulheres em seu país. Ao mesmo tempo, a mãe enfrenta problemas oriundos da sociedade machista e acaba se comovendo com a luta da filha pelo seu singelo sonho. O que amplia o interesse sobre este trabalho é que não se trata da ótica etnocentrista ocidental, mas de uma mulher inserida nessa sociedade, e que conseguiu fazer um filme muito bom sem apelar para saídas fáceis.

Tomara que seja mulher” é um clássico dos anos 80, o único da lista dirigido por um homem, o grande Mario Monicelli, com um elenco de estrelas: Catherine Deneuve, Liv Ullman e Steffania Sandrelli. Os homens são Philippe Noiret, Bernard Blier e o Giuliano Gemma dos western spaghetti..  Um grupo de mulheres opta por viver numa fazenda na Toscana praticamente sem homens, á exceção de um tio idoso e senil. Obviamente, nem tudo é hramonia, e a ausência masculina é sentida apesar dos pesares, mas, ao final, quando uma das jovens fica grávidas, todas torcem que seja mais uma mulher, como diz o título.


Finalmente, defendendo as cores nacionais, o recente “Que horas ela volta?”, de Ana Muylaert, com show da dupla Regina Casé e Camila Márdia. Carioca de duas gerações, Regina se consolida com o título cujo equivalente masculino um dia já foi de Jofre Soares, o de “maior atriz nordestina do mundo” (vide “Eu, tu, eles”). Como a mãe que opta por deixar a filha com uma irmã na terra natal para ganhar a vida como empregada doméstica em São Paulo, ela dá tridimensão ao personagem que com outra atriz poderia cair na caricatura. A atuação é complementada pelo contraste oferecido por Camila, uma jovem vindo de outro momento político-econômico-social do Brasil, cujo inconformismo chega a soar inconveniente para o espectador acostumado dom aquele status quo (no Exterior, as pessoas entranhavam era comportamento senhorial dos donos da casa até para tomar um copo d’água).Um filme que não apenas dá o protagonismo – e antagonismo, da parte da personagem da ótima Karine Teles – mas também vislumbra uma nova realidade para as jovens como Camila, que não apenas escapa do destino da mãe como a desperta da relação perversa que ela via como afetuosa.

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Zebras e questões raciais marcam Oscar 2016

Equipe e elenco de Spolight se conratulando pelo prêmio
“Spotlight – Segredos revelados” surpreendeu todo mundo e levou o Oscar de Melhor Filme, batendo os favoritos “O Regresso” (levou Direção, Ator e Fotografia) e “A Grande aposta” (só ganhou Roteiro Adaptado). Mantém a tradição da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood de premiar grandes temas. Embora tenha uma narrativa tradicional, tem o grande mérito de contar a história de uma reportagem importante de forma realista – especialmente para quem é do ramo – e didática. Grande mérito do roteiro (original, que também ganhou), elenco e, porque não?, direção. Mas, para Hollywood, ser diretor não é ser necessariamente autor mas, principalmente, um gestor de projeto. E aí fica difícil competir com a pirotecnia de Alessandro Iñarritu em “O Regresso”, mesmo que o filme caia no terço final. Com esse premio, ele se tornou bi no Oscar e o México tri, já que em 1014 quem ganhou foi seu amigo Afonso Cuarón por “Gravidade”, quando o Melhor Filme foi “12 anos de escravidão”.

Leonardo di Caprio sendo aplaudido em pé pelo público no Dolby Theatre
Leonardo di Caprio levou sua aguardada estatueta não tanto por sua atuação em “O Regresso” (que foi boa, mas não tanto como a de Michael Fassbender em “Steve Jobs”) mas por sua carreira, em que sempre procurou conciliar qualidade com bilheteria. Irônico ele ganhar em seu primeiro trabalho com Iñarritu após cinco parcerias com Martin Scorcese, das quais duas resultaram em indicações.  Já o prêmio de Brie Larson é um Nasce uma Estrela. Desconhecida entes de “O Quarto de Jack”, a oscarizada deste ano já está com quatro projetos engatilhados para os próximos dois anos. Vai vingar? Talento ela tem, mas que o filme era do Jack (Jacob Tremblay), isso era.
Entre os Coadjuvantes, se Alicia Vikander, de “A Garota Dinamarquesa”, era pedra cantada, o Oscar de Mark Rylance (“Ponte dos Espiões”) foi uma surpresa porque todos esperavam um momento comoção para Sylvester Stallone por sua, acho, derradeira atuação como Rocky Balboa. Foi a vitória da técnica sobre a emoção.
Mark Rylance frustra a tocida de Sylvester Stallone
A enxurrada de prêmios técnicos e artísticos para “Mad Max – Estrada da Fúria”seis – que é uma reverência ao grande trabalho de George Miller, só foi interrompido pelo merecidíssimo Oscar de Fotografia para Emmanuel Lubezki (terceiro consecutivo) por “O Regresso” e o surpreendente para “Ex Machina” em Efeitos Visuais, um filme que foi lançado diretamente em home vídeo no Brasil. Falando em Brasil, não ia dar mesmo para “O Menino e o Mundo” num ano em que tinha “Divertida Mente”. Mas, mais do que nunca, estar lá já foi um vitória.
Na parte musical, o venerando maestro Ennio Morricone ganhou pela Melhor Trilha Musical Original em “Os Oito Odiados” e Sam Smith levou pela pior Canção de James Bond da era Daniel Craig. Não adiantou nem o vice-presidene americano John Biden ir até a cermônia para apresentar a concorrente Lady Gaga com sua canção sobre estupro..

Negros e Gloria
Discurso de Chris Rock deve ter rendido horas de
reun ões até ser aprovado
O elefante na sala da cerimônia foi a polêmica envolvendo a ausência de indicados negros e o boicote proposto por alguns astros, especialmente o casal Will Smith e Jada Pinckett-Smith. Por sorte, os produtores já haviam contratado o humorista Chris Rock antes da confusão, e seu discurso de abertura ao mesmo tempo falou sobre a falta de oportunidades aos afrodescendentes e ainda cutucou o boicote e seus propositores. As piadas seguintes todas foram sobre o assunto, algumas por sinal, muito boas.

Já, no Brasil, a participação de Gloria Pires roubou a cena da transmissão na Globo, ainda mais que na TNT tivemos um Rubens Edwald Filho cada vez mais velho e confuso, distoando de seus bons tempos em que a memória e agilidade mental valorizavam suas intervenções desde os tempos do SBT. A escalação a contragosto da estrela global para trabalhar num programa madrugada a dentro e para o qual ela não tinha preparação nem formação para participar pode ter rendido memes e risadas, mas é mais um desrespeito da poderosa emissora carioca, que continua a exibir o Oscar após o BBB, e se fosse noite de Carnaval, simplesmente não transmitiria. Não é para rir, mas para lamentar.

Cineclube
O Oscar de Filme Estrangeiro foi para o húngaro "Filho de Saul", e logo que foi feito o anúncio, por maio do Facebook, o Cineclube Indaiatuba já confirmou sua escalação para a sessão da próxima terça-feira, dia 8, no Multiplex Topázio do Shopping Jaraguá. A história se passa em 1944, no campo de concentração de Auschwitz, durante a Segunda Guerra Mundial. Saul (Géza Röhrig) é um judeu obrigado a trabalhar para os nazistas, sendo um dos responsáveis em limpar as câmaras de gás após dezenas de outros judeus serem mortos. Em meio à tensão do momento e às dificuldades inerentes desta tarefa, ele reconhece entre os mortos o corpo de seu próprio filho.

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Oscar 2016: quem leva?

A cerimônia de premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, o popular Oscar, acontece neste domingo, com transmissão pelo canal pago TNT (a Globo . Nas chamadas para o programa, Rubens Edwald Filho afirma que é a maior premiação do mundo do entretenimento, o que é verdade. A penetração que a música (Grammy), TV (Emmy) ou mesmo teatro (Tony) americanos tem no mundo inteiro não se compara à do cinema, que vem se ampliando até em territórios antes inexpugnáveis, como a China.

A Grande Aposta
Se em 2015, “Birdman” era barbada, neste a disputa é bem mais equilibrada. “Spotlight”, “A Grande Aposta” e “O Regresso” são igualmente favoritos, com ligeira desvantagem para o último porque o diretor Alessandro Iñarritu ganhou Filme e Direção (justamente com “Birdman”) no ano passado. A lógica é que o Melhor Filme leva também Direção, mas não para a Academia, que recentemente esnobou Steve McQueen (“12 anos de escravidão”), e Ben Affleck (“Argo”) mesmo premiando seus filmes. Pior foi
Spotlight - Segredos Revelados
há dez anos, quando deram a estatueta para o medíocre “Crash – No limite” mas a consciência pesada fez com que premiassem a direção de Ang Lee pelo muito melhor “Brokeback Mountain”. Além do mais, se Iñarritu fizer o bis, serão três anos seguidos de mexicanos (em 2014, que levou foi Alfonso Cuaron por "Gravidade"). Só se fosse para Donald Trump perder a peruca. Enfim, no próximo domingo, é grande a chance que o Oscar vá para um cineasta sem renome, como Tom McCarthy (“Spotlight”), Adam McKay (“A Grande Aposta”). Pessoalmente, “Mad Max Estrada da Fúria” é meu preferido para Filme e Direção, mas não vai rolar.

Brie Larson em O Quarto de Jack
Nas atuações – ladies first – deve dar a novata Brie Larson por “O Quarto de Jack” como Melhor Atriz e Alicia Vikander por “A Garota Dinamarquesa”. Para mim, Charlotte Rampling em "45 anos" faz um trabalho superior e até mesmo Jennifer Lawrence em "Joy" está melhor, mesmo que o filme não ajude. O "Quarto de Jack" é totalmente centrado no garoto Jacob Tremblay, que está ótimo e não foi lembrado, talvez porque não de para enquadrá-lo como coadjuvante, e como principal não fica bem.
Nos prêmios masculinos, prevejo muita comoção pelo premio de Ator Coadjuvante para Sylvester Stallone por “Creed” (já foi emocionante no Globo de Ouro) e por finalmente darem o Oscar a Leonardo Di Caprio, nem tanto por “O Regresso”, mas pela sua carreira brilhante, que é uma rara combinação de carisma de lead man e talento como intérprete. Christian Bale está excelente em “A Grande aposta” (quem lembra de Batman ao vê-lo neste filme?) e Michael Fassbender brilha em “Steve Jobs”, mas não o suficiente para tirar o doce da boca de Leo, que se não ganhar desta vez, é melhor pensar num filme de Holocausto.
Leonardo di Caprio em "O Regresso"


Os roteiros são um capítulo à parte este ano, com vários trabalhos de alto nível, até entre os esquecidos pela Academia, como “Steve Jobs” de Aaron Sorkin. Mas pelas premiações pregressas, deve dar “A Grande Aposta”, de Charles Randolph eAdam McKay entre os Adaptados; e “Spotlight”, de Josh Singer e Tom McCarhty entre os Originais. Vencedor de dois Oscars e Fotografia, Emmanuel Lubezki deve levar o terceiro por “O Regresso”.


Divertida Mente
Este ano, o prêmio de Animação ganhou um interesse especial para nós pela indicação do brasileiro “O Menino e o Mundo”, de Alê Abreu. Se fosse no ano passado, até teria chance, mas contra “Divertida Mente”, fica difícil. Na categoria Filme Estrangeiro, nem o brazuca “Que horas ela volta?” ou o argentino “O Clã” – Leão de Outro em Veneza – entraram. O húngaro “O Filho de Saul” é o favorito, preenchendo a cota “Filme de Holocausto”. 

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Oscar 2015 - acertamos o que importava

Sean Penn anunciando "Birdman" como Melhor Filme: "quem eu  o
Greencard pra esses caras?" 
Mais uma premiação da Academia de Ciências e Artes Cinematográficas de Hollywood, o popular Oscar, foi realizada ontem, dia 22,fazendo com que cerca de 1 bilhão de pessoas sintonizassem o show na TV em 24 fusos horários diferentes. Nenhum outro evento do gênero desperta tanto interesse global, nenhuma láurea é tão reconhecida, fora o Nobel.Eo Conversa de Botequim On Line acertou no que importava (clique aqui)!

No entanto, esse espetáculo cheio de pompa e circunstância não deixa de ser o que foi desde o começo: uma festa paroquial de autocongratulação da indústria de cinema americano.  É como chamar o jogo final entre os campeões das duas ligas nacionais de World Series, mas como no beisebol, os latinos já andam desbancando os donos da casa. Alfonso Cuarón no ano passado e Alejandro Iñarritu este ano marcaram o bi dos diretores mexicanos. Arriba!

Mas não se trata de escolher os “melhores”, mas o que os “acadêmicos” consideram importante no momento. Ou uma execução de projeto extraordinária. Isso explica a ocasional esquizofrenia de dar o Oscar de melhor filme para um e melhor direção para outro, como no ano passado, quando “12 anos de escravidão” ganhou o primeiro e Alfonso Cuarón o segundo, por “Gravidade”. Não vamos subestimar também o preconceito ianque: alguns poucos negros já ganharam como intérpretes, mas como diretores – um cargo executivo – é outra história. Lembremo-nos de 10 anos atrás, quando o rotineiro “Crash – No limite” deixou para trás o muito melhor “Brockeback Mountain”, restando a Ang Lee o prêmio de Diretor.

"Birdman" recebeu três dos cinco prêmios principais, portanto, independente
do total é o gane vencedor da noite
Isso não aconteceu este ano, com “Birdman” vencendo em Filme, Direção e Roteiro Original, tendo como única derrota significativa na categoria Ator, com Eddie Redmayne (“A Teoria de Tudo”) batendo Michael Keaton, em sua chance de ouro. Pessoalmente achei “Teoria de Tudo” fraco e condescendente, e a atuação de Redmayne, um nome em ascensão, inferior à de Keaton e Benedict Cumberbatch (este, sim, vai ter outras oportunidades). Mas a Academia não resiste a um handcap.
O premio para Julianne Moore, também por um trabalho sobre deficiência, foi a grande chance para uma atriz respeitada que nunca havia levado um premio de cinema importante em seu país, mesmo já tendo vencido em Cannes, Berlim e Veneza. Com “Para sempre Alice” levou o Oscar, o Globo de Ouro e o Sindicato dos Atores. Pena para Rosamund Pike, uma atriz que sempre se destacou pela beleza fria (Hitchcock faria horrores com ela) e que teve em “Garota Exemplar” o papel de sua vida.

Entre os coadjuvantes, J.K. Simmons, um coadjuvante veterano querido por todos, era uma barbada por “Whiplash” (que erá exibido amanhã, dia 23, no Cineclube Indaiatuba); e Patricia Arquette, era favorita por ter carregado o projeto “Boyhood” em cena. Se não pela atuação – que achei parecida da mãe-vidente de “Medium” – valeu pelo seu discurso feminista ao receber sua estatueta. Tão importante quanto o de Emma Watson na ONU, o que não deixa de ser triste, em pleno século XXI.

Common e John Legend com seu Oscar pela canção "Glory":
prêmio de consolação para "Selma" 
O show em si foi um dos melhores dos últimos anos, com um ótimo número de abertura e algumas apresentações marcantes, como o de Commom e John Legend interpretando “Glory” imediatamente antes de receberem o premio de Melhor Canção-Consolação pelo filme “Selma”; e Lady Gaga cantando um medley de “Noviça Rebelde”, na homenagem pelos 50 anos do musical que bateu “...E o Vento levou” nas bilheterias. Quem poderia pensar em alguém mais surpreendente para fazer um cover de Julie Andrews?

Lady Gaga foi meme no Red Carpet, mas se redimiu na hora de cantar
Na categoria Longa de Animação, um dos prêmios mais recentes e que já foi mais relevante, “Operação Big Hero” deu o bi à Disney, enquanto o mestre Hayao Miyazaki se aposenta e a Pixar vive seu período sabático.


Em Documentário de Longa-Metragem, o teuto-brasileiro “O Sal da Terra”, sobre Sebastião Salgado, dirigido por seu filho Juliano e por Wim Wenders, perdeu para “Citzenfour”, sobre Edward Snowden. O polonês “Ida” deu o primeiro Oscar ao seu país, batendo o argentino “Relatos Selvagens” e “Timbuktu”, que Inácio Araújo considerou o melhor filme de toda a seleção deste ano. 

sábado, 21 de fevereiro de 2015

And the Oscar goes to...

Amanhã acontece mais uma cerimônia de premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood, mais conhecido como Oscar. No Brasil, a maior festa do cinema pode ser visto pelo canal pago TNT a partir das 20h30 e na Globo só depois do Big Brother Brasil, lá pelas 23h45.

Michael Keaton em "Birdman"
No páreo principal estão “Birdman (ou a Inesperada virtude da ignorância)”, “Boyhood – da Infância à Juventude”, “O Grande Hotel Budapeste”, “O Jogo da Imitação”, “A Teoria de Tudo”, “Whiplash: Em busca da perfeição”, "Selma" e “Foxcatcher: Uma história que chocou o mundo”. Concorrendo a melhor diretor estão Alejandro González Inárritu (“Birdman”), Richard Linklater (“Boyhood”), Bennet Miller (“Foxcatcher”), Wes Anderson (“Grande Hotel Budapeste”) e Morten Tyldum (“O Jogo da Imitação”). Os atores principais indicados são Eddie Redmayne (“A Teoria de Tudo”), Michael Keaton (“Birdman”), Bennedict  Cumberbatch (“O Jogo da Imitação”), Steve Carrell (“Foxcatcher”) e Bradley Cooper (“Sniper Americano”). As atrizes principais são Julianne Moore (“Para sempre Alice”), Felicity Jones (“A Teoria de Tudo”), Marion Cottilard (“Dois dias, uma noite”), Rosamund Pike (“Garota exemplar”) e Reese Witherspoon (“Livre”). A disputa para ator coadjuvante está entre J.K. Simmons (“Whiplash”), Robert Duvall (“O Juiz”), Ethan Hawke (“Boyhood”), Edward Norton (“Birdman”) e Mark Ruffalo (“Foxcatcher”). As indicadas a atrizes coadjuvantes são Patricia Arquette (“Boyhood”), Laura Dern (“Livre”), Keira Knightley ("O Jogo da Imitação”), Meryl Streep (“Caminhos da floresta”) e Emma Stone (“Birdman”). Vamos nos focar nesses, que são os de maior interesse geral.

As mudanças ao longo de 12 anos em Boyhood
Eu já ordenei em primeiro de cada lista os favoritos, que não o são por serem necessariamente melhores, mas pelas chances. O Oscar não é concedido pelo mérito artístico, mas pelo que os votantes da Academia consideram ser meritório. Pelos meus anos de janela, o premio fica entre “Boyhood” e “Birdman”, pela ótima execução de seus projetos complicados. Os acadêmicos são, em geral, profissionais de cinema, então como não se impressionar com um filme feito ao longo de 12 anos e outro que simula uma gigantesco plano-seqüência. E os dois são mesmo os melhores da lista, que poderia incluir ainda “O Grande Hotel Budapeste”, mas vai ser difícil. Em geral, filme e diretor ganham juntos, e é o que deve acontecer este ano, ao contrário de 2014, quando “12 anos de escravidão” foi o melhor filme e Alfonso Cuarón foi melhor diretor por “Gravidade” (justamente pela dificuldade do projeto, ainda que tenha resultado num longa mais ou menos).
Eddie Redmayne em "A Teoria de Tudo"

Entre os atores, a disputa é entre Michael Keaton e Eddie Redmayne, com ligeira vantagem para o segundo. Atuações físicas como a do inglês em geral prevalecem na Academia, sem falar que é sempre mais interessante valorizar um jovem talento a premiar um veterano que teve o papel de sua vida, mas de quem não se espera muito no futuro. A primeira vez que notei Redmayne foi na minissérie "O Pilares da Terra" (que tinha ainda a Agent Carter Halley Atwell) e de lá para cá sua ascensão foi meteórica. A atuação de Cumberbatch e, como sempre, impressionante, mas deve ficar para uma próxima vez.
Julianne Moore, barbada com "Para sempre Alice"
A estatueta de atriz principal é uma barbada. Julianne Moore ganhou tudo até agora, é uma intérprete respeitada por todos e só tem um Urso de Prata de Berlim como premio significativo no cinema (tem cinco indicações ao Oscar).  Azar de Rosamund Pike, que teve o papel de sua vida em “Garota Exemplar”, mas dificilmente leva.
Entre os coadjuvantes, J.K. Simmons é a barbada entre os homens (também ganhou tudo e é um veterano querido entre seus pares) e Patricia Arquette é a favorita entre as mulheres, mesmo parecendo ainda estar no seriado “Medium”.  Achei Emma Stone em “Birdman” melhor, mas acho que deve dar Patricia mesmo.


O sensacional "Relatos selvagens, que pode marcar 3 a O
da Argentina contra o Brasil no Oscar
Os dois principais concorrentes a melhor Filme disputam também Roteiro Original, e quem levar aqui deve ganhar também o grande premio. Há ainda algum interesse em Filme de Animação, mas não tenho a menor idaia de quem leva, e Filme em Lingua Não-Inglesa, que tem entre os indicados o argentino “Relatos selvagens”. Se ganhar, será a terceira vez que los hermanos ganham o Oscar, contra nenhuma do Brasil.  

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Nós somos Charlie, sem adendo

Passada uma semana do atentado contra a revista Charlie Hebdo, ataque terrorista que ainda se estendeu em tiroteios num supermercado kosher e numa planta industrial, totalizando 17 vítimas e três terroristas abatidos, muita coisa ainda há que se esclarecer e debater.
Percebi em muita gente no Brasil a indignação com os atentatos, mas com o adendo de "ah, mas os cartuns eram mesmo insultantes", meio que dando uma justificativa aos terroristas. Como bem notaram Laerte e Luis Fernando Veríssimo, humor como do "Charlie Hebdo" fazem parte de uma tradição cultural francesa, que jamais seria aceita no Brasil e nos EUA. Aqui, prevalece uma certa acomodação, além de uma recente intolerância com o outro, que foi exacerbado nas últimas eleições. Não era bem assim nos tempos do Pasquim, que tinha com um de seus lemas "liberdade é passar a mão na bunda do guarda". Nos EUA da correção política e do puritanismo disfarçado ou não, seria até pior, como o New York Times opinou em editorial.
O que não deveria mudar é a questão de que, seja lá o que seja escrito ou desenhado, nada justifica matar o outro. A caneta pode ser mais forte que a espada, mas não que uma rajada de AK-47. Nem "aproveitar o ensejo" e matar pessoas somente por serem de uma determinada etnia. E ainda o que é esperado por quem idealizou esses crimes, instigar a islamofobia para justificar uma guerra que consideram santa.
O que está em jogo não é somente a liberdade de expressão, mas a intolerância de todas as formas, seja contra quem é considerado iconoclasta, herege, pagão, raça inimiga; ou seja, o outro. No Brasil, felizmente, deixamos de matar por causa da religião há alguns séculos, mas ainda resta a homofobia, a discriminação racial e social, e o que anda crescendo assustadoramente, o ódio contra quem tem convicções políticas diferentes. No último caso, a coisa ainda está somente nas rede sociais, mas num tom que não diminuiu após as eleições.  Para os gays, pretos e pobres, as agressões e mortes são reais, praticados não apenas por intolerantes civis, como pela própria polícia.
Acontecimentos marcantes como este deveriam servir para refletir não como somos vítimas em potencial, mas a respeito do agressor adormecido em nós. A maioria das pessoas não são terroristas, mas deveriam pensar em quão intolerantes podem ser, podemos ser.

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

The Newsroom e o jornalismo ideal em tempo de cólera

Nos últimos dias fiz uma maratona da primeira temporada de The Newsroom, da HBO. Já tinha assistido a segunda temporada numa dessas semanas em que o sinal é liberado (sou pobre, só tenho o pacote básico) e conhecer o início da trama só confirmou a ótima impressão que tive da série.

A moda pode ser os universos delirantes de Walking Dead e Game of Thrones, mas em The Newsroom, Aaron Sorkin consegue um mundo ficcional muito próximo da realidade, ajudando o espectador a compreender o funcionamento da imprensa e da política americanas. Ele já havia criado "The West Wing: Bastidores do Poder", a melhor obra audiovisual sobre como é feita a política nos EUA (que, no fundo, se parece muito com qualquer democracia representativa, incluindo o Brasil).

À exemplo da Camelot criada em torno do presidente Jed Bartlett (Martin Sheen), Sorkin cria uma redação ideal em torno do âncora Will McAvoy (Jeff Daniels, um ator que trafega com tranquilidade entre o drama e o humor), do noticiário de horário nobre, que detém a segunda maior audiência entre os canais a cabo, mas tem se acomodado nessa condição. Tido muda quando o diretor do canal, Charles Skinner (Sam Waterston, vindo de quase duas décadas de "Law and Order"), chama de volta a antiga produtora-executiva e ex-namorada de Will, Mckenzie McHale (Emily Mortimer, de "A Invenção de Hugo Cabret"), para chacoalhar a redação. O desafio proposto à nova nova equipe, que inclui o editor-senior Jim Harper (John Galagher Jr.), é criar uma pauta relevante e esclarecedora ao eleitorado americano, para que ele possa fazer escolhas lúcidas nas urnas. Para isso, o republicano Will passa a atacar o Tea Party implacavelmente, a ponto de chamá-lo de "Talibã Americano"; notícias que são manchetes na concorrência, como a mãe acusada de matar sua filhinha, são desprezadas; celebridades, metereologia e outros assuntos "carne-de-vaca" são eliminados.

A ação acontece poucos anos antes do tempo atual, e as notícias cobertas pela equipe são verdadeiras; então o público sabe de antemão o que acontece (se for minimamente informado), casos da Primavera Egípcia, da ameaça nuclear em Fukushima e da morte de Osama Bin Laden (onde descobrimos que não somos só nós que às vezes confundimos Osama com Obama). A exceção é a gigantesca "barriga" provocada pela militantismo de uma produtor temporário e a má fé de uma fonte, cujos desdobramentos atravessam toda a segunda temporada, que se passa durante a campanha presidencial que resultará no segundo mandato de Barack Obama.

Questões como jornalismo versus entretenimento; como a imprensa deveria informar os eleitores para que eles façam boas escolhas na urna ao invés de tentar manipulá-los a escolher este ou aquele; a crescente polarização política que vai transformando divergência de opiniões em ódio; são temas comuns tanto aqui como lá, e que são abordados no seriado de forma adulta, educativa e sem o cinismo de "House of Cards", por exemplo. No mundo de "The Newsroom", que se parece muito com o nosso, boa política e jornalismo relevante são coisas possíveis, apesar de tudo.

Recomendo, principalmente os colegas jornalistas, que assistam a série. Quem não tem HBO, pode alugar na locadora (se você tiver mais de 60 anos), ou usar os inúmeros recursos disponíveis na web, do torrent ao on demand alternativo, se é que você me entende. Abaixo, o trailer da terceira e última temporada que estreia por lá dia 9 deste mes.