sábado, 13 de março de 2010

A morte de Geraldão (nota publicada na Tribuna)


Fui acordado ontem por uma ligação do meu amigo Arabaci que me comunicou o assassinato de Glauco Vilas Boas, autor de Geraldão, o Solteirão. Figuraça da Pauliceia dos anos 80, que eu e o Araba frequentávamos quando estudantes, Glauco era o próprio Geraldão. Esse lado autobiográfico que imprimia às suas tiras lhe rendeu até uma encrenca, quando uma ex-mulher tentou processá-lo ao ver uma situação conjugal impressa numa tira do casal Neuras – uma de suas grandes criações. Glauco era, como eu, frequentador do Longchamp, mas eu tinha mais contato com Laerte e Angeli, e muito mais com Luis Ge. Bons tempos...

Um comentário:

Lalo Arias disse...

Tempos tristes estes. Muito tristes.
Mas acho que frequentamos o velho e bom Longchamp na mesma época, final dos anos 80, por supuesto. Tive o privilégio de ser companheiro do Glauquito na Folha e de tê-lo com parceiro de boêmia naqueles idos.