sábado, 8 de novembro de 2008

O estrelado de Indaiatuba


A edição 2009 do Guia Quatro Rodas trouxe uma ótima notícia para Indaiatuba: o Bistrô Le Triskell entrou para a lista dos restaurantes estrelados. Apenas 240 estabelecimentos em todo o País foram incluídos nessa lista, que concede no máximo três estrelas, honraria restrita a seis restaurantes, entre eles o Fasano, o D.O.M. (do chef Alex Atala, considerado um dos 50 melhores do mundo) e o Antiquarius. As avaliações do Guia Quatro Rodas são consideradas o equivalente brasileiro ao Guide Michelin, a famosa publicação francesa que também usa estrelas para classificar os melhores restaurantes do mundo.
Para se ter uma idéia do que a estrela do Le Triskell significa, nenhum francês da cidade de São Paulo tem mais de uma – entre eles os tradicionais La Casserole, Freddy e Le Coq Hardy by Pascal Valero – e nenhum restaurante de Campinas está entre os estrelados.
Desde que abriu as portas, em 21 de novembro de 2002, o Le Triskell recebe visitas técnicas do Guia Quatro Rodas, em geral em janeiro. “A pessoa vem sozinha ou com acompanhante e só depois se identifica como funcionário do guia, sempre pagando a conta. Ai ele visita a cozinha e faz uma série de perguntas sobre armazenamento, higiene e outros. Eles devem ter uma base de dados porque costumam conferir informações dadas em visitas anteriores”, conta Gilles Mourier, proprietário do bistrô. Ganhar uma estrela da publicação era um sonho desde que foi incluído no guia – o que significa que a publicação considera a casa “regular”. “No começo, só tinha o Le Triskell e mais um. Depois ficamos sozinhos um bom tempo e só agora foram incluídos outros três: a Pepis, a Máster Beef e a Villa Santo Antônio”, comenta.
Em busca de sua estrela, Gilles ligou para a redação para saber quais os critérios eram considerados para saber onde agir. “Eles dizem que essa informação é sigilosa ou nem respondem”, lamenta. Bom, de alguma forma, ele acertou onde devia.
Um dos trunfos do Le Triskell é o chef Kerjinaldo Silva, o Keijo, que está na casa praticamente desde a abertura. “O primeiro nós demitimos antes de inaugurar. Tentamos outro que tinha problemas de relacionamento e comportamento”, relembra. Sua esposa, Vera, chegou a ir para a cozinha do restaurante durante algum tempo. “Finalmente apareceu o Keijo, que está conosco até hoje”, relata o restaurateur.
Inicialmente, a casa era uma creperia que aos poucos foi incorporando pratos tradicionais franceses e, pouco a pouco, tornou-se mediterrânea. Os crepes são uma mínima parte do menu hoje em dia, que tem os óbvios Coq au Vin (frango caipira cozido ao vinho tinto com tagliatelli na mateiga) e Escargots de Bourgogne (meia dúzia de caracóis gratinados na manteiga com alho e salsinha), e inovações como o Couscous Marin (cuscuz marroquino com camarão, polvo e marisco) e o próprio Gambas Taj Mahal (camarões grelhados ao curry, acompanhados de arroz com abacaxi e brócolis), prato descrito no Guia Quatro Rodas.
O desafio de Gilles, Keijo e equipe agora é manter a estrela conquistada. Este ano, o Le Triskell contratou a consultoria do chef serge Fel, com passagens por importantes restaurantes da Capital, para melhorar os processos na cozinha. “O objetivo é otimizar os procedimentos para reduzir o tempo de espera dos pratos e aumentar a lucratividade”, explica Gilles.

Vinhos

A carta de vinhos do Le Triskell é resultado do gosto pessoal do proprietário e sugestões dos clientes. Filho de franceses nascido no Brasil, Gilles Mourier não dispensa um vinho nas refeições, principalmente no jantar, quase invariavelmente no seu restaurante. No início, a oferta de rótulos era muito mais acanhada, mas com o tempo, a demanda dos clientes, especialmente dos condomínios de Helvetia e Itaici, levou a uma ampliação da oferta. A garrafa mais cara do Le Triskell é o Brunello de Montalcino, que custa R$ 288. Em compensação, há bons vinhos a preços acessíveis, como o argentino Finca Daniela, que custa R$ 58 e o chileno Touro de Piedra, por R$ 64, que são vendidos também em taças. O rose JP Chenet, R$54, foi outra inclusão de gosto pessoal do proprietário. O Le Triskell tem ainda uma confraria, que além de uma reunião mensal, organiza excursões enofílicas. A próxima será no início do ano para conhecer vinícolas chilenas.
Serviço: Le Triskell, aberto para almoço de terça a domingo e para jantar de terça a sábado. Avenida Eng. Fábio Barnabé, 723. Telefone: 3934-6408. Site: WWW.letriskell.com.br
Guia Quatro Rodas 2009. Preço: R$ 39,99. Site: http://viajeaqui.abril.com.br/g4r/

Um comentário:

Programa Meu! disse...

Parabéns ao "Casal Mourier". Eles merecem. Quem conhece um pouco sobre gastronomia sabe o quão difícil é, manter o padrão oferecido por eles. Muito merecido e justa a indicação da Quatro Rodas.
Demétrio de Brocca