sábado, 21 de junho de 2008

Centenário da Imigração...em Indaiatuba

imagem 210 Apesar de ficar longe da área do Estado mais colonizada pelos imigrantes nipônicos – o Noroeste – Indaiatuba é uma das cidades que mais deve aos japoneses. Se hoje temos a Toyota como referência da industrialização dos últimos, nos anos 60 e 70 a Yanmar era uma das grandes empregadoras do Município. Mesmo a vinda da montadora de automóveis sofreu a influência da presença da fábrica de motores aqui, que por ironia estava se retirando quando a Toyota estava negociando sua vinda.
A influência dos agricultores isseis e niseis também foi enorme até o final da década de 70, graças à cultura do tomate. A Festa do Tomate era tão forte que foi capaz de trazer o rei Roberto Carlos em 1973, o que era muito mais que trazer uma rave com Tiesto ou micareta com Ivete Sangalo.
A Associação Cultural e Esportiva Nipo-Brasileira de Indaiatuba (Acenbi) tem 61 anos e é uma das mais antigas da região. Embora a colônia tenha decrescido nos anos 90 por causa do fenômeno dekassegui e há tempos não consiga mais eleger uma representante na Câmara – o que era corrente até recentemente – ainda tem sua força na cidade.
No entanto, é preciso destacar um certo descaso nas celebrações do Centenário da Imigração Japonesa em Indaiatuba. O Marcos Comemorativo, que devia ter ficado pronto no último dia 18, vai ficar para o fim do mês, porque a construção começou em cima da hora e obviamente não ia ficar pronta a tempo.
Mais grave, no entanto, é a saia justa envolvendo a homenagem prestada pela Câmara a representantes da colônia. Criou-se um mal-estar entre a comunidade pelo esquecimento de famílias importantes na história dos japoneses e descendentes no Município, como Imanishi, Takahara e Gomasako. Argumentou-se que a homenagem era para os pioneiros sobreviventes, mas ainda assim o critério é estranho, sem falar que ignora princípios elementares da cultura nipônica, que é honrar os antepassados. Na lógica japonesa, não é porque que o avô ou pai se foi que não merece homenagem numa data tão especial e aguardada. Honrar a memória dos pioneiros da imigração é mais do que comer sushi na Festa do Chope do Nipo ou simplesmente pegar carona na efeméride dos 100 anos. (publicado em Gente etc de hoje)

***

Na foto, tirada por nossa enviada especial ao desfile comemorativo no Sambódromo do Anhembi em São Paulo hoje à tarde, desfile da banda da Marinha Japonesa. Tora, tora, tora!

4 comentários:

Anônimo disse...

Oi Kimura, tudo bem?
Adorei a foto da Marinha Japonesa!!! Realmente são demais!!! Estive lá ontem também e o Príncipe até acenou pra mim!!! ahahahhaaha... Fiquei muito emocinada!!!
Beijos,
Agnes

Cynthia Santos disse...

Arrasou no comentário!! Tbm achei um absurdo transferirem a inauguração do marco por pura falta de planejamento da Prefeitura.
Quanto às homenagens, não sabia da saia justa... feio!

Bárbara disse...

Ah meu pai estava participando do coral..cantando aquarela do brasil e os hinos

que loucura

Jair Italiani disse...

Kimas, sobre o comentário, a respeito das pessoas homenageadas, cabe uma observação: quem elaborou a relação de homenageados foi a Acenbi, baseando-se na linha da comissão estadual organizadora dos festejos dos cem anos que por sua vez pretendia prestar homenagens aos imigrantes vivos.
Assim, qualquer crítica ao critério de escolha não deveria recair sobre o Legislativo.
Quanto a foto da Marinha Japonesa, relamente, muito bonito o desfile...
então, "Senta a Pua"... rs

Jair