terça-feira, 24 de junho de 2008

O Agente de 40 anos


Ontem fui ver o remake de "Agente 86", com Steve Carrell no papel de Maxwell Smart, e me peguei gargalhando no cinema. Está tudo lá, a musiquinha que remete ao tema de James Bond, as portas da entrada secreta do Controle, o cone do silêncio, o sapatofone, os bordões, o conversível vermelho e até uma rápida aparição do ator Bernie Koppel - o Siegfried original (do hilário bordão "Shtarkerrr!")- como um velhinho ao volante de um Opel, que dá uma bronca em Smart na rua e é em seguida "atropelado" por um SUV.
Carrell confirma que o fracasso de "Todo Poderoso 2" não vai abalar sua carreira como um dos grandes comediantes atuais. É muito difícil fazer uma releitura de um personagem tão querido e tão ligado ao seu intérprete original. É quase como se quisessem fazer um novo Chaves com outro ator que não Roberto Bolaños. E Carrell consegue remeter a Don Adams sem necessariamente imitá-lo. Coisa que um ator do calibre de Gary Oldman, por exemplo, não conseguiu fazer com o doutor Smith de "Perdidos no Espaço".
Anne Hatthaway - cada vez mais linda - faz uma 99 muito mais sexy e ativa, e por incrível que pareça é até convincente em se apaixonar pelo "nerd" Max. Essa é outra difereça com o original. Ao invés de ser um idiota sortudo - o Smart original era praticamente um Closeau da espionagem - o 86 de Carrell é um analista de informações hipercaxias, uma extensão da persona cinematográfica do ator exibida em "The Office" e "O Virgem de 40 anos". Aliás, o título deste posto - e da matéria que publiquei em Gente etc no sábado, antes de ver o filme, refere-se ao trabalho que revelou Steve Carrell, mas curiosamente tanto ele quanto Don Adams estavam na casa dos 40 quan do assumiram o papel.
No elenco de apoio, Alan Larkin, que já havia trabalhado com Carrell em "Pequena Miss Sunshine", está à vontade no papel de chefe, o que não acontece com Terence Stamp com seu Siegfried. O baixinho Ken Davitian, de "Borat", acaba roubando a cena nas poucas cenas como assistente de vilão Starker. Já Masi Oka parece que a qualquer momento vai ser teletransportar para "Heroes".
Não sei quem disse que dificilmente "Agente 86" vai virar franquia. A aparição de Hymie (um dos melhores personagens do seriado) no final pra mim indica essa intenção, e o sucesso até aqui nas bilheterias - é a melhor abertura da carreira de Carrell - deve levar a, no mínimo, uma continuação.

Um comentário:

Jair disse...

Kimas, o mais interessante é que esse ator lembra o velho agente 86...

abração