sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Caminhoneiro derruba uma coluna do pedágio da SP75 (RAC)

Uma carreta bateu contra uma coluna da praça de pedágio do km 60,8 da rodovia Santos Dumont (SP 75), por volta de 12h desta quinta-feira. Duas pistas do sistema de cobrança eletrônica Sem Parar foram interditadas.
Segundo informações da Polícia Militar Rodoviária, o caminhão trafegava acima da velocidade no sentido Campinas/Indaiatuba e perdeu o controle ao colidir contra a defensa de concreto que separa as faixas de cobrança. O motorista, identificado como José Ronaldo dos Santos, de 49 anos, estaria alcoolizado. Ele sofreu apenas ferimentos leves e foi encaminhado para o
Hospital Oliveira Camargo em Indaiatuba, Região Metropolitana de Campinas (RMC).

De acordo com policiais, o tacógrafo, instrumento que registra a velocidade do veículo, marcava 100 Km/h no momento da colisão, sendo que a velocidade máxima permitida ao passar pelo pedágio é de 40 Km/h. No entanto, a perícia ainda não emitiu um laudo sobre as causas do acidente com o caminhão Volvo de placa DTB 4942, de São Paulo. O teste do bafômetro realizado no local indicou a presença de 1,26 mg de álcool por litro de sangue do motorista, enquanto o máximo permitido por lei é 0,6. Santos ainda seria encaminhado para realizar exames de sangue e poderá até ser preso dependendo do resultado.

O impacto do caminhão danificou parte da estrutura do pedágio. A cobertura sobre as duas faixas interditadas precisará ser demolida. A concessionária Rodovias das Colinas, que administra a SP 75, informou que uma faixa do pedágio seria adaptada, até o meio dia desta sexta-feira, para receber o sistema de cobrança eletrônico. Enquanto isso, afirmou que usuários do Sem
Parar não serão prejudicados, uma vez que a cobrança poderá ser feita pelo número do dispositivo eletrônico, conhecido com TAG, ou pela placa do veículo.

O acidente gerou lentidão no local, mas não provocou congestionamento na rodovia. Segundo o diretor executivo da concessionária, Nelson Bossolan, seriam necessários quatro guindastes para escorar a estrutura, retirar o caminhão e só depois inciar o processo de demolição da parte danificada no acidente. Os trabalhos devem demorar até três dias para serem concluídos,
mas não há previsão para o restabelecimento das duas faixas oficiais do Sem Parar.

A Transportadora Elos de Ouro, proprietária do caminhão acidentado, vai esperar a conclusão da perícia, que determinará as causas do acidente, para somente então tomar as medias legais cabíveis caso seja comprovado a responsabilidade do motorista.

3 comentários:

Bárbara disse...

tem gente que comentou assim: Seria bom se tivesse caido o pedágio inteiro no chão..assim ficaria uns dias sem cobrança hahha

Anônimo disse...

A intenção do caminhoneiro foi bôa,mas é mais facil chamar o Bin Laden.

Andrea disse...

Isso sim que é levar o "Sem Parar" ao pé da letra!