sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

O cinco melhores filmes de horror segundo Ricardo Calil

O crítico Ricardo Calil , em seu "Blog Olha Só" , escolheu os cinco melhores filmes de horror de todos os tempos a pedido do portal IG.
"...o que me interessa no cinema de horror não é a habilidade de gerar sustos em seqüência ou a criatividade para inventar seres monstruosos, mas sim o de retratar e refletir, dentro dos moldes do gênero, nossos medos mais primários, sejam eles motivados por questões concretas ou psicológicas. Por isso, em vez de “Jogos Mortais” ou “Sexta-feira 13”, cheguei aos seguintes filmes":

O Bebê de Rosemary (1968) – Roman Polanski trabalha de forma brilhante um dos maiores medos femininos: a de que algo de mal acontecerá a seu filho durante a gravidez. Só que o problema é mais embaixo: o bebê é a própria encarnação do mal. Polanski, aliás, é mestre do gênero. Tanto “Repulsa ao Sexo” quanto “O Inquilino” poderiam estar tranquilamente no Top 10 do horror psicológico.

O Iluminado (1980) – dentro de um subgênero do terror (o da casa mal assombrada), Stanley Kubrick faz um ensaio visual grandioso sobre os males do isolamento; um filme em que a histeria da interpretação de Jack Nicholson está plenamente justificada.

Carrie – A Estranha (1977) – O medo que Brian DePalma trabalha aqui é o da rejeição na adolescência. Carrie é a garota que, humilhada pelos colegas de escola, usa seus poderes paranormais para buscar vingança. Os sustos são ótimos, as idéias melhores ainda.

A noite dos mortos vivos (1968) – De maneira superficial, o clássico de George Romero é o filme de zumbi essencial, com cenas de violência chocantes para a época de seu lançamento. Mas é muito mais: uma alegoria social e política, em que as vítimas representam diversos arquétipos da sociedade americana, e os zumbis representam as forças que colocam em xeque os valores de cada um deles.

A Vila (2004) – um falso filme de horror; ou melhor, um filme de horror que desconstrói o filme de horror; ou ainda, um filme sobre como criar um horror imaginário (“aqueles-de-quem-não-falamos”) para combater outro real (a violência urbana). A obra-prima de M. Night Shyamalan.

2 comentários:

Bárbara disse...

eu gosto de "O Iluminado"

Marcelo disse...

Muitos não acham um filme verdadeiramente de terror, mas quem era adolescente no início da década de 80 possívelmente irá concordar: POLTERGEIST, que acaba de sair num Blu-Ray caprichado,não deveria ficar de fora dessa lista.