quinta-feira, 12 de fevereiro de 2009

FHC quer descriminalizar maconha (Agência Estado)


O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso defendeu hoje a descriminalização da posse de maconha para uso pessoal na abertura da 3ª Reunião da Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia. A proposta está na declaração da comissão, que será levada à Organização das Nações Unidas.

'Nosso objetivo é abrir o debate para acabar com o tabu. Essa história de guerra contra as drogas não resolve. É preciso ter outras ações que levem à redução da demanda', disse FHC. O tema será discutido pela comissão com governantes do continente. 'A posição do governo brasileiro, que eu saiba, não é contrária', disse o ex-presidente.

***

Em 1985, FHC disputava a prefeitura de São Paulo com Jânio Quadros, que explorou uma declaração do então senador contando que havia experimentado maconha na década de 60. Lembro de ouvir num boteco na Praça da Sé dois sujeitos comentando a repercussão da polêmica escancarada na banca de jornais logo em frente. "Esse Fernando Henrique é um maconheiro. Bom é o Jânio, que toma umas branquinhas que nem a gente..." Jânio, como se sabe, ganhou aquele pleito.

Noves fora, há um consenso que a Cannabis sativa é muito mais inócua do que cachaça e cigarro, para ficar nas drogas legalizadas. Sua criminalização está muito mais ligada à queda de produção da mão de obra causada por seu consumo que por motivos médicos. Daí o preconceito entre a classe operária de que maconha é coisa de vagabundo e que a cachaça é o santo remédio do trabalhador depois do batente. O filme "Bicho de Sete Cabeças" ilustra bem essa visão. É um erro também aquela história de que maconha abre caminho para drogas mais pesadas. Consumidor de cocaína prefere uisque à marijuana. Quanto ao adicto de heroína, basta citar Ewan McGregor em "Trainspotting": "...Choose your future. Choose life... But why would I want to do a thing like that? I chose not to choose life. I chose somethin' else. And the reasons? There are no reasons. Who needs reasons when you've got heroin?" Sim, maconha vicia, mas não quimicamente como heroína, crack e nicotina. O combate à sua dependencia é mais fácil que a do álcool e cigaros.

Paulo Henrique Amorim chama FHC de Farol da Alexandria, porque lança luzes sobre a antiquidade, no que concordo em geral, mas neste caso específico acho que ele tomou uma atitude corajosa e importante, já que se trata de um ex-presidente da República. Quase nenhum país assume a descriminalização da maconha por pressão dos EUA, onde os fundamentalistas cristãos tem tanta força que obrigam algunas estados a compartilhar a Teoria da Evolução - mais do que provada pela Ciência - com o criacionismo biblico. Mas, na prática, Canadá, Australia e Holanda (esta mais oficialmente) fazem vista grossa para a cannabis.

Mesmo sendo a posse de um baseado considerada contravenção, o usuário de maconha ainda vive sob ameaça de uma detenção ou de um achaque da polícia, enquanto a mesma deixa as cracolandias vicejarem por aí. O crack, muito mais que cocaína de que se origina, é a droga mais perigosa para o Brasil, por causa do grau de dependencia e mortalidade que causa e do seu preço muito baixo. Esse é um grande problema social e não se o sujeito prefere fumar o dia inteiro ouvindo Pink Floyd.

PS Em tempo, antes que alguém ache qualquer coisa, este blogueiro não consome drogas ilegais desde os anos 80, mas conhece muita gente que o faz até hoje e que não representa ameaça a ninguém, muito menos à sociedade. Na minha opinião, não é posível ser produtivo e fumar maconha ao mesmo tempo, mas optar por fazê-lo deveria ser uma questão de foro íntimo e não de fórum judicial.

2 comentários:

José Fonte de Santa Ana disse...

Maconha faz bem e o bem, também (III). Quebra dentes vitais da engrenagem milionária do tráfico.
Acreditam alguns cientistas renomados embasados por pesquisas, que é preciso descriminalizar a maconha. O que livra milhões de jovens brasileiros (já trabalhadores, universitários) e suas famílias, das armadilhas da engrenagem milionária das drogas ilícitas. Usando de suas ingenuidades em momentos de fraqueza para aliciá-los como mulas e ou só aparentá-los, para entregá-los à justiça em seus lugares e os exibirem como troféus da guerra contra o tráfico.
Mais uma resposta ilusória para a sociedade, com repreensões e criminalizações que de nada adiantaram, porque os males que supostamente combatem só aumentaram. Somados á criminalização com aparentemente só deméritos até o dia de hoje, pois os problemas que supunha eliminar se agravaram. Acumulando prejuízos, sofrimentos e dores à milhões de homens e mulheres de bem. Submetendo-os ao constrangimento, humilhação, problemas com a justiça e as vezes até cadeia. Só por portarem ou usarem uma substância que conforme muitos pesquisadores, usada com moderação não faz mal à saúde do homem.
Proibição entendida em muitos países que a liberaram para uso medicinal, recreativo e religioso, como mais deletéria para a sociedade do que o consumo da maconha em si, à qual, repito, muitos cientistas embasados em pesquisas recomendam descriminalizar. Quebrando aí, dentes vitais da engrenagem milionária do tráfico de drogas.
Sou a favor do homem livre do uso de bebida alcoólica, cigarro e qualquer substância que não seja por questão divina como inclusive medicinal, ainda que o seu uso moderado não traga danos à sua saúde.
Sendo assim, por que defendo a descriminalização da maconha? - Para auxiliar milhões de homens e mulheres de bem, no mínimo a saírem da ainda sujeição que lhes é imposta aos muitos males que cercam algumas substâncias, por ainda serem proibidas por lei ao invés de controladas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), como o cigarro, a bebida alcoólica e remédios inclusive psicotrópicos, barbitúricos, tarjas preta.
Em meu Blog, leia (clique) “Maconha como está não é legal. Tem que legalizar.” “Maconha faz bem e o bem, também (II). Abriu expectativas para o tratamento da obesidade... e, Maconha faz bem e o bem, também. I.”
Caso careça de orientação também jurídica sobre o tema, clique em BrasilNorml.
José Fonte de Santa Ana.

José Fonte de Santa Ana disse...

Maconha faz bem e o bem, também (III). Quebra dentes vitais da engrenagem milionária do tráfico.
Acreditam alguns cientistas renomados embasados por pesquisas, que é preciso descriminalizar a maconha. O que livra milhões de jovens brasileiros (já trabalhadores, universitários) e suas famílias, das armadilhas da engrenagem milionária das drogas ilícitas. Usando de suas ingenuidades em momentos de fraqueza para aliciá-los como mulas e ou só aparentá-los, para entregá-los à justiça em seus lugares e os exibirem como troféus da guerra contra o tráfico.
Mais uma resposta ilusória para a sociedade, com repreensões e criminalizações que de nada adiantaram, porque os males que supostamente combatem só aumentaram. Somados á criminalização com aparentemente só deméritos até o dia de hoje, pois os problemas que supunha eliminar se agravaram. Acumulando prejuízos, sofrimentos e dores à milhões de homens e mulheres de bem. Submetendo-os ao constrangimento, humilhação, problemas com a justiça e as vezes até cadeia. Só por portarem ou usarem uma substância que conforme muitos pesquisadores, usada com moderação não faz mal à saúde do homem.
Proibição entendida em muitos países que a liberaram para uso medicinal, recreativo e religioso, como mais deletéria para a sociedade do que o consumo da maconha em si, à qual, repito, muitos cientistas embasados em pesquisas recomendam descriminalizar. Quebrando aí, dentes vitais da engrenagem milionária do tráfico de drogas.
Sou a favor do homem livre do uso de bebida alcoólica, cigarro e qualquer substância que não seja por questão divina como inclusive medicinal, ainda que o seu uso moderado não traga danos à sua saúde.
Sendo assim, por que defendo a descriminalização da maconha? - Para auxiliar milhões de homens e mulheres de bem, no mínimo a saírem da ainda sujeição que lhes é imposta aos muitos males que cercam algumas substâncias, por ainda serem proibidas por lei ao invés de controladas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), como o cigarro, a bebida alcoólica e remédios inclusive psicotrópicos, barbitúricos, tarjas preta.
Em meu Blog, leia (clique) “Maconha como está não é legal. Tem que legalizar.” “Maconha faz bem e o bem, também (II). Abriu expectativas para o tratamento da obesidade... e, Maconha faz bem e o bem, também. I.”
Caso careça de orientação também jurídica sobre o tema, clique em BrasilNorml.
José Fonte de Santa Ana.